(21)2245-6085 - WhatsApp (21)96530-4354 - faleconosco@espacoartedecurar.com.br

Guerra de agulhas – Entrevista Revista Epoca


aldemir_site_post

Em maio do ano 2.000 dei uma entrevista para a revista Época sobre a polêmica do exercício da Acupuntura no Brasil. Na ocasião tramitava no Congresso um projeto de lei visando a restrição da prática. Somente os médicos poderiam exercê-la.
Bem, como podemos constatar, o projeto não passou de um projeto. Continuamos agindo dentro da legalidade e, melhor, levando saúde e bem-estar para os nossos pacientes.

Boa leitura para todos!

Guerra de agulhas

Técnicos e médicos brigam para definir quem pode exercer a profissão de acupunturista no Brasil

GLEISE SANTA CLARA

O confronto entre acupunturistas e médicos terá novo round até o final de junho. A arena da disputa será o plenário do Senado. Os parlamentares preparam-se para votar o substitutivo do senador Geraldo Althoff (PFL-SC), que reserva aos médicos, dentistas e veterinários o mercado de trabalho em acupuntura. Se virar lei, os 20 mil técnicos em atividade no país só serão autorizados a continuar atendendo caso comprovem pelo menos três anos de atividade na área. E ainda ficarão sujeitos ao controle dos conselhos regionais de medicina. Quem não se encaixar nos novos padrões será banido da profissão. 

O projeto foi aprovado no mês passado pela Comissão de Educação do Senado. Se o plenário o aprovar, restará a votação na Câmara. A batalha será longa. Até agora, os médicos levaram a melhor. Argumentam que a terapia das agulhas é invasiva e requer diagnóstico clínico, tarefa que cabe a profissionais formados em universidades. “Houve episódios em que dores nas costas foram tratadas como problema corriqueiro, quando, na verdade, escondiam doenças graves, como câncer ou tuberculose”, diz o médico homeopata Ruy Tanigawa, presidente da Associação Médica Brasileira de Acupuntura. “Se ocorrer um erro médico, quem será responsabilizado?”

Por muito tempo se disse que a acupuntura, uma prática curativa importada do Oriente, não tem fundamento científico. Mas o número de pacientes cresceu, assim como o de consultórios especializados. Em 1995, o Conselho Federal de Medicina acabou por reconhecê-la como especialidade. 

banner blog - moxa

Os técnicos se defendem e exibem estatísticas segundo as quais foram registradas, no mundo, apenas 138 complicações relacionadas à prática das agulhas, nos últimos 26 anos. Lembram que a acupuntura e a medicina ocidental não têm mesmo afinidades culturais. “Quem trouxe a prática para o Brasil foram os orientais“, diz Aldemir Ricardo Filho, técnico conhecido no Rio de Janeiro. O cirurgião vascular Wu Tou Kwang, que tem uma escola de acupuntura em São Paulo, acha um exagero reservar o mercado para os médicos. “Existem escolas de má qualidade, mas isso se resolveria com controle e regulamentação dos cursos.”

Até os pacientes opinam. A assistente social Suzana da Cunha faz acupuntura desde 1996. Foi paciente de dois médicos, mas há dois anos recorreu aos serviços de um técnico, por recomendação de uma amiga. “Os médicos não tinham sensibilidade”, afirma. Enquanto a disputa não se define no palco da política, os dois lados selam um acordo nos bastidores: formados ou não, aqueles que manejam agulhas precisam ser profissionais acima de qualquer suspeita. 

Perfil do profissional 
A formação dos acupunturistas 

  • Nos EUA, a formação fica a cargo das universidades
  • No Japão, a tarefa também cabe a faculdades de medicina

·  No Brasil, além de médicos especializados, há técnicos em acupuntura”

Veja a matéria no site da Revista Época clicando no link abaixo:

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI159390-15257,00-GUERRA+DE+AGULHAS.html

Tags: ,
 

Comentários estão fechados.